Home / Noticias Blog / Projeto de saneamento de Belo Horizonte é premiado pelo BID

Projeto de saneamento de Belo Horizonte é premiado pelo BID

Trabalho desenvolvido por equipe do IFMG atenderá região sem tratamento de esgoto na zona Norte da Capital | Crédito: Divulgação

Uma ideia inovadora para levar sistemas de saneamento básico a áreas de Belo Horizonte que não possuem rede de esgoto acaba de ser premiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento, o BID. Concorrendo com outras 169 propostas de países da América Latina e Caribe, o projeto desenvolvido por estudantes e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) foi um dos vencedores do evento “e-Hackathon en Agua, Saneamiento e Higiene”, realizado virtualmente em língua espanhola, nos dias 11 e 12 de setembro. O resultado foi anunciado no dia 17, e premiou três projetos, sendo o do IFMG o único brasileiro.

Na proposta submetida, o grupo apresentou um modelo de negócio colaborativo entre empresa, cooperativa e instituição de ensino, de modo a viabilizar, com essa parceria, a instalação e manutenção de soluções sustentáveis e de baixo custo no bairro Granja Werneck. A área, que também é conhecida como Ocupação Izidora, está localizada na região Norte de Belo Horizonte, na divisa com o município de Santa Luzia, conta com cerca de 8 mil famílias e aproximadamente 30 mil moradores.

Professor de Engenharia Civil no Campus Santa Luzia do IFMG, Daniel Augusto de Miranda explica que, para desenvolverem o trabalho, durante os dois dias de maratona on-line, foi necessário fazer uma pesquisa prévia, na qual identificaram o local como um assentamento informal cuja maior demanda é o saneamento básico.

Com a ajuda de pesquisadores que já atuam na área, ele e os alunos puderam conversar com lideranças locais e partir para a elaboração do trabalho. Segundo o docente, o projeto pretende atender quatro ocupações (Helena Grecco, Esperança, Vitória e Rosa Leão) que formam o conjunto Izidora. É uma área de aproximadamente 10 quilômetros quadrados localizada entre as rodovias MG-010 e MG-020, marcada pela transição dos biomas Mata Atlântica e Cerrado.

“O professor Tiago Castelo Branco, que atua na PUC e na UFMG, foi um dos grandes colaboradores, pois já tem um trabalho consolidado na região. Ele compartilhou uma série de materiais e nos colocou em contato com as lideranças da comunidade. Nas reuniões que fizemos, perguntamos qual seria o maior problema e todas responderam que era a falta de tratamento de esgoto”, conta Daniel Miranda.

Tratamento de efluentes – No modelo de negócio proposto, o objetivo é que os moradores, após se organizarem em cooperativas, sejam capacitados pelo IFMG para poderem construir e instalar os dispositivos sustentáveis. A ideia é que as famílias adotem no tratamento de efluentes o tanque de evapotranspiração (para tratamento das águas negras, oriundas do vaso sanitário) e o círculo de bananeiras (para tratamento das águas cinzas, coletadas de pias, lavatórios e chuveiros).

“O custo estimado de instalação de um tanque de evapotranspiração é de R$ 1.000, ao passo que o de um círculo de bananeiras gira em torno de R$ 100. Estes valores são para atender cinco pessoas e não consideram despesas de mão de obra, já que seria executada por moradores das ocupações capacitados pelo IFMG”, explica o docente.

Além de Daniel Miranda, a equipe é formada pelos estudantes Katy Marilym de Matos Neves e Nelson Xavier Ribeiro Neto, ambos do curso de Engenharia Civil, e pelo engenheiro e ex-aluno do IFMG, Lorenzo Perpetuo Pinto. Com o reconhecimento, o grupo receberá como prêmio o investimento do BID, no valor de US$ 5 mil, para a execução do plano de negócios; uma tutoria com especialistas durante o ano de 2021; e a participação de um dos membros na edição latino-americana do programa Young Water Fellowship.

“Vamos receber assessoria do BID e encontrar a melhor maneira de empregar o valor e em que momento ele deverá ser utilizado. A ideia é fazer tudo no esquema de parceria, respeitando os trâmites legais para viabilizá-la. Nossa expectativa é atender, em cinco anos, de 15 a 20% da população dessas ocupações”, afirma Daniel Miranda.

O evento e-Hackathon foi uma iniciativa do BID com intuito de estimular e apoiar jovens pesquisadores a desenvolver soluções inovadoras para fazer frente aos desafios mais urgentes relacionados ao abastecimento de água, saneamento e higiene. O projeto do IFMG – Campus Santa Luzia já havia sido classificado entre os 30 finalistas. Para a disputa final, foi produzido um vídeo de apresentação da proposta.

“Essa grande conquista é uma ação fundamental em benefício da consolidação e fortalecimento dos arranjos produtivos, sociais e culturais locais, identificados a partir do mapeamento do potencial de desenvolvimento socioeconômico e cultural no âmbito do Instituto Federal. Saímos fortalecidos deste evento e preparados para promover o bem estar social com muita responsabilidade e profissionalismo. É realmente uma grande vitória para a educação pública brasileira”, conclui.


Fonte: Post Completo

Sobre Hidro Curitiba

Verifique também

Moradores fazem festa para pedreiros que asfaltaram rua após 15 anos

Moradores fazem festa para pedreiros que asfaltaram rua após 15 anos

Um grupo de moradores de Rio Verdejante, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, decidiu …

Call Now Button