O diretor do Núcleo de Epidemiologia de Curitiba, Alcides Augusto Souto de Oliveira, afirmou que a capital já está vivendo a terceira vaga da pandemia nesta terça-feira (9). A enunciação foi dada durante coletiva de prelo, ao lado da secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak, para publicar as medidas restritivas contra a Covid-19 para os próximos dias na cidade.

“Sobre a terceira vaga, nós já estamos vivenciando essa momento. Sem suspeita alguma, desde a série histórica, quando começamos há um ano com os primeiros casos na região setentrião do país, a doença foi progredindo para todo o Brasil, agora nós vivenciamos a mesma experiência”, disse o diretor de epidemiologia.

A secretária municipal de Saúde, Márcia Huçulak e o diretor do Núcleo de Epidemiologia de Curitiba, Alcides Augusto Souto de Oliveira, durante coletiva de prelo nesta terça-feira (9) – Foto: Reprodução

Oliveira diz ainda que a vaga de casos da novidade versão do vírus que apareceu em Manaus durou murado de oito semanas naquela região. Outros estados também estariam vivenciando essa novo aumento de diagnósticos positivos com características semelhantes à capital do Amazonas.

“Isso significa que não só a transmissão comunitária permanece, mas que também as características da transmissão estão sendo semelhantes em diferentes estados. No ano derradeiro, aquela primeira vaga durou em torno de 12 semanas, hoje esse prolongamento foi mais rápido, em torno de oito semanas na região Setentrião e Sudeste do país”, explicou Oliveira.

Boletim

Curitiba registrou, nesta terça-feira (9/3), 1.105 novos casos de covid-19 e 20 óbitos de moradores da cidade infectados pelo novo coronavírus, conforme boletim da Secretaria Municipal da Saúde. Até agora são 3.094 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Com os novos casos confirmados, 150.564 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia. São 11.035 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

A taxa de ocupação dos 439 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 está em 93%. No momento restam 16 leitos livres.