Home / Noticias Blog / “Lava jato” em Curitiba queria prender Gilmar e Toffoli, diz hacker

“Lava jato” em Curitiba queria prender Gilmar e Toffoli, diz hacker

O hacker Walter Delgatti Neto, responsável por acessar mensagens trocadas entre procuradores procuradores da República do Paraná e o ex-juiz Sergio Moro, afirmou que um dos objetivos da “lava jato” em Curitiba era prender os ministros Gilmar Mendes e Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federalista. A enunciação foi feita neste domingo (20/12), em entrevista transmitida pela CNN Brasil, das quais teor a ConJur tinha antecipado.

Delgatti concedeu entrevista à CNN Brasil

Reprodução/CNN

Delgatti foi questionado sobre se achava que a “lava jato” queria prender integrantes da Suprema Incisão. “Eles queriam. Eu não acho, eles queriam. Inclusive Gilmar Mendes e Dias Toffoli. Eles tentaram de tudo para conseguir chegar ao Gilmar Mendes e ao Toffoli, eles tentaram falar que o Toffoli tentou reformar o apartamento e queriam que a OAS delatasse o Toffoli”, respondeu. 

Ainda segundo ele, os procuradores “quebraram o sigilo de Gilmar Mendes na Suíça, do cartão de crédito, da conta bancária dele, eles odiavam o Gilmar Mendes, falavam mal do Gilmar Mendes o tempo todo”. 

Reportagem publicada pelo jornal El País, em parceria com o The Intercept Brasil, já havia exposto que os procuradores planejaram buscar na Suíça provas contra Gilmar. Segundo a notícia, os membros do MPF pretendiam usar o caso de Paulo Preto, operador do PSDB cativo em um desdobramento da “lava jato”, para reunir munição contra o ministro.

Em nenhum momento eles mencionam o veste de procuradores da República que oficiam em primeiro intensidade não poderem investigar — ou sequer mencionar em acusações — ministros do Supremo.

Além de mencionar Gilmar e Toffoli, o hacker fez declarações a saudação de Luís Roberto Barroso. Segundo Delgatti, Barroso e o procurador Deltan Dallagnol, ex-coordenador da força-tarefa da “lava jato” em Curitiba, eram bastante próximos. O ministro do STF teria chegado a facilitar Dallagnol em casos. 

“O Barroso e o Deltan conversavam bastante. Inclusive, o Barroso, em conversas, auxiliava o que colocar na peça, o que falar. Um juiz auxiliando, também, o que deveria fazer um procurador”, afirmou.

Em resposta à CNN o ministro negou categoricamente as acusações e ressaltou que não julga processos da lava jato, que estão sob responsabilidade da 2ª Turma do STF. 

Delgatti cita também Alexandre de Moraes, mas só para proferir que nunca conseguiu desenredar zero nos celulares do ministro. “Ele apagava tudo. Tive aproximação também ao e-mail dele. Eu penosamente baixei o livro pra ler. Tinha conversas em e-mail, mas era entre eles [ministros do STF]. Era conversa de processo, que não tinha interesse. Era conversa formal”. 

Em junho de 2019, o site The Intercept Brasil começou a publicar conversas entre procuradores do MPF em Curitiba e Moro. As mensagens mostraram que Moro chegou a orientar a atuação de procuradores em processos. 

“Acabei me decepcionando”

A CNN e Delgatti negociaram a entrevista por murado de um ano até que ela acontecesse. Na conversa, o hacker afirmou que começou invadindo equipamentos de autoridades da família Bolsonaro. 

Em seguida, tentou entrar no celular de Alexandre. Por causa de que não conseguiu zero, partiu para Dallagnol ao ver o procurador falando sobre o pacote das dez medidas contra a devassidão. 

“A ‘lava jato’ era o último lugar que eu esperava encontrar irregularidades. Ele [Dallagnol] apresentou aquele pacote das dez medidas anticorrupção. Quando vi o nome dele, queria ter aproximação à conta dele e ver quem estava cometendo crimes. Mas quando eu tive aproximação, acabei me decepcionando. Porque vi que o transgressão estava acontecendo entre eles [procuradores]”, contou. 

A partir daí ele buscou jornalistas para que fossem divulgadas as conversas. Disse que nenhum profissional da prensa o respondeu. Foi à vista disso detrás da ex-deputada Manuela D’Ávila (PCdoB), que teria se interessado pelo material e feito a ponte entre Delgatti e o jornalista Glenn Greenwald, do The Intercept

Por intenção, o hacker disse que foi pressionado para delatar ao ser cativo em 2019 no curso da operação spoofing. “Fui pressionado o tempo todo. Desde o primeiro dia. O procurador falava: ‘Olha, faça uma delação, conte a verdade, vamos esclarecer isso que eu te solto.’ Eles davam a entender que a delação, caso eu fizesse, só seria homologada se eu falasse do Glenn. Todas as vezes, eles queriam que eu falasse do Glenn”, concluiu. 

Origem: Post Completo

Sobre Hidro Curitiba

Verifique também

Laboratório Tecpar Covid

Para refrescar:conheça dez cachoeiras perto de Curitiba

Catadupa do Panelão| Foto: Reprodução/Facebook Zero melhor que um banho de cascata para se refrescar …

Call Now Button