Golpe coordenado por servidora prejudicou 142 pessoas que buscavam casa própria, diz MP

| Foto: Rafael Silva/Prefeitura de Curitiba

O Ministério Público (MP) do Paraná, por meio do núcleo de Curitiba do Grupo de Atuação Próprio de Combate ao Transgressão Organizado (Gaeco), ofereceu à Justiça Estadual oito denúncias pela prática de estelionato contra sete investigados, incluindo uma servidora pública municipal (posteriormente exonerada). O grupo, segundo o Gaeco, prejudicou ao menos 142 pessoas que desejavam comprar casas em conjuntos da Companhia de Habitação (Cohab) da capital. Todas as denúncias já foram recebidas pela 7ª Vara Criminal de Curitiba. Atendendo pedido do MP, a Vara Criminal também deferiu o penhora de bens dos denunciados, no valor de mais de R$ 1 milhão (R$ 1.147.496,21).

A investigação aponta que, entre 2015 e 2017, uma servidora
pública municipal, em conluio com outros seis investigados, induzia as vítimas a
erro ao apresentar-se dado que, posto que funcionária da Cohab-Curitiba, com poderes para
negociar unidades habitacionais em condições preferenciais. Para agilizar os
trâmites de venda dos imóveis, a servidora cobrava dos interessados valores
entre R$ 1 milénio e R$ 5 milénio. Além das cobranças indevidas, apurou-se que, na
estação dos fatos, a servidora não estava lotada na Cohab (onde já havia
trabalhado) e não tinha poder qualquer para negociar imóveis da empresa pública.